quarta-feira, agosto 25, 2010

Mogadouro

Nestas férias de verão, eu e a minha esposa decidimos ir para Trás-os-Montes, mais concretamente para a zona do Douro internacional onde partiríamos à descoberta de terras como Mogadouro, Miranda do Douro, Torre de Moncorvo, Freixo-de-Espada-à-Cinta, Zamora e Salamanca (estas últimas duas são em Espanha, como o leitor provavelmente saberá).

De todas as terras acima mencionadas, decidimos utilizar Mogadouro como charneira durante a visita às restantes cidades, pernoitando na Casa das Águas Férreas, que recomendamos vivamente.

No Nordeste do território nacional, integrado no distrito de Bragança, o concelho de Mogadouro faz fronteira com Espanha ao longo do rio Douro. Encaixado entre o vale profundo do Douro e a bacia do Sabor, ocupa o prolongamento do Planalto Mirandês que, por sua vez, dá seguimento ao Planalto Leonês (região de Zamora e Salamanca).

Erguido no século XII, o castelo de Mogadouro foi concedido em 1297 pelo rei D. Dinis à Ordem dos Templários e, alguns anos mais tarde, em 1319, passou para a Ordem de Cristo, sucessora daquela. Hoje conservam-se apenas dois panos de muralha, ligando um deles a torre a um cubelo. A torre, quadrangular e de aparelho "incertum", é acompanhada, não de muito longe, por uma outra de feição mais recente, conhecida como Torre do Relógio. Esta é feita de cantaria nos cantos e aparelho "incertum" a meio. Está dividida em três registos, o último dos quais preparado para receber sinos. Tem um remate piramidal e ostenta nos quatro cantos pináculos de granito. Apresenta-se hoje com graves fendas.


A Igreja da Misericórdia situa-se no centro histórico da Vila de Mogadouro, numa posição subjacente ao Castelo de Mogadouro, no Largo da Misericórdia, onde podemos encontrar o pelourinho de Mogadouro.

A construção da Igreja da Misericórdia remonta à 2ª metade do século XVI, após o ano de 1559, data marcada pela fundação da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro. A sua fundação ficou a dever-se à acção do benemérito D. Luís Álvares de Távora. Este obteve resposta positiva do Papa Pio IV, que concedeu a bula (documento papal) de erecção e várias indulgências (privilégios).


O pelourinho de Mogadouro é um marco jurisdicional quinhentista, de base quadrangular, muito rústica, assente sobre um soco também quadrangular de três degraus. O fuste é oitavado e formado por quatro blocos desiguais. A meio tem sinais de ter possuído uma argola. O capitel é constituído por um disco achatado de onde irradia uma cruz grega. O remate é piramidal de formato cónico.


Mogadouro intitula-se Terra d'Os Meus Amores, fazendo alusão à obra literária de Trindade Coelho.

José Francisco Trindade Coelho (Mogadouro, 18 de Junho de 1861 — Lisboa, 18 de Agosto de 1908) foi um escritor, magistrado e político português.

A sua obra reflecte a infância passada em Trás-os-Montes, num ambiente tradicionalista que ele fielmente retrata, embora sem intuitos moralizantes. O seu estilo natural, a simplicidade e candura de alguns dos seus personagens, fazem de Trindade Coelho um dos mestres do conto rústico português. Fiel a um ideário republicano, dedicou-se a uma intensa actividade pedagógica, na senda de João de Deus, tentando elucidar o cidadão português para a democracia.

Ir a Mogadouro e não provar a posta Mirandesa, é um sacrilégio. Escolhemos o restaurante "A Lareira" para provar esta iguaria. A entrada faz-se pelo café e fomos atendidos pelo Chefe de Cozinha que nos acompanhou até à mesa e nos sugeriu a famosa posta que ele próprio tratou de grelhar na lareira que domina a zona do restaurante. Estava simplesmente divinal.

Sem comentários:

Festival Eurovisão da Canção 2018

Como é tradição, aqui vai a minha apreciação do Festival da Eurovisão deste ano. E o vencedor é... ...novamente Salvador Sobral! Sim. ...