sexta-feira, janeiro 25, 2008

Gipsy Kings - Discografia Parte I

Neste post vou tentar fazer uma crítica à discografia dos Gipsy Kings. E por que é que são chamados Gipsy Kings? "Gipsy" porque obviamente são todos de etnia cigana e cantam/tocam música cigana. "Kings" é um bom trocadilho com o apelido de família de um dos grupos de irmãos: Reyes, que, em castelhano significa "Reis".

Gipsy Kings (1988)

O primeiro álbum dos Gipsy Kings. E que primeiro álbum! Está cheio de sucessos que praticamente todos conhecem, como "Bamboleo", "A Mi Manera" e "Djobi Djoba". Nicolas Reyes destaca-se como vocalista e Tonino Baliardo destaca-se desde já como um excelente guitarrista (por exemplo, em "Duende"). Do ponto de vista instrumental, não fogem muito das raízes ciganas: o uso de instrumentos electrónicos é comedido na maior parte das músicas, mas evidente em "Bem, Bem, Maria".

Vou aproveitar este primeiro álbum para falar de Tonino Baliardo. Tonino Baliardo casou-se com a neta de Manitas de Plata. Da família, herdou com toda a certeza o virtuosismo de tocar guitarra de ouvido, já que não lê nem escreve música. Mas, ao contrário de Manitas de Plata, Tonino não é tão "rendilhado" quando toca. Prefere inventar, a meu ver, melodias mais ricas, não recorrendo tanto aos floreados típicos do flamenco. É (juntamente com outro membro dos Gipsy Kings que falarei mais adiante) a alma e a razão do sucesso deste grupo.

  • Bamboleo
  • Tu Quieres Volver
  • Moorea (Instrumental)
  • Bem, Bem, Maria
  • Un Amor
  • Inspiration (Instrumental)
  • A Mi Manera (My Way)
  • Djobi Djoba
  • Faena (Instrumental)
  • Quiero Saber
  • Amor, Amor
  • Duende (Instrumental)

Mosaïque (1989)

Um ano depois, aparece este álbum, de características ligeiramente diferentes a nível de sonoridade. Os volteios electrónicos aparecem mais vezes, nem sempre com o melhor resultado. Mesmo nestas circunstâncias, a guitarra de Tonino salva sempre qualquer música.


De destacar "Passion" e "Trista Pena" no lado mais melancólico; no lado mais alegre, destacam-se "Soy" e "Volare".

  • Caminando Por La Calle
  • Viento Del Arena
  • Mosaïque(Instrumental)
  • Camino
  • Passion (Instrumental)
  • Soy
  • Volare
  • Trista Pena
  • Liberté(Instrumental)
  • Serana
  • Bossamba (Instrumental)
  • Vamos A Bailar (Ao Vivo)

Allegria (1990)

Allegria foi editado em alguns países com a inclusão das músicas de "Luna de Fuego". Colocarei aqui aquelas músicas que não entram no álbum "Luna de Fuego". Este álbum e o seguinte voltam às raízes da música cigana a nível instrumental e de vozes. Possivelmente seriam gravações anteriores ao primeiro álbum oficial, que foram enviadas para o mercado quando este já estava "preparado" para ouvir este tipo de sonoridade... ou talvez não... uma vez que são álbuns relativamente desconhecidos no circuito comercial.

  • Pena Penita
  • Solituda
  • La Dona
  • Allegria
  • Un Amor
  • Papa, No Pega La Mama
  • Sueño
  • Tristessa

Destaco deste disco a música "Allegria".

Luna de Fuego (1990)

Quanto a mim, este é um dos melhores álbuns dos Gipsy Kings. Por vários motivos! O primeiro, é ter como vocalista na maior parte das músicas Canut Reyes e não Nicolas Reyes. Não desfazendo o segundo, aprecio muito mais a voz de Canut. É muito mais "gitana" que a de Nicolas. Ao bom estilo purista, neste álbum só existem guitarras, claps (bater de palmas intercaladas) e um cajón (uma caixa de percussão). As músicas são frenéticas ao ponto de nos apetecer largar tudo e dançar ao ritmo daquele som inebriante. A atmosfera da gravação faz-nos sentir verdadeiramente dentro de uma fiesta gitana.

  • Amor D'Un Dia
  • Luna de Fuego (Instrumental)
  • Calaverada
  • Galaxia (Instrumental)
  • Ruptura
  • Gipsyrock (Instrumental)
  • Viento del Arena
  • Princessa
  • Olvidado (Instrumental)
  • Ciento

Destaco "Luna de Fuego", "Galaxia" e "Olvidado" como autênticos hinos à excelência de tocar guitarra. "Amor D'Un Dia" adapta-se perfeitamente ao perfil de voz de Canut.

quarta-feira, janeiro 23, 2008

As Origens dos Gipsy Kings

Todos sabem que uma das razões do meu apelido vem do facto de gostar bastante de flamenco, música cigana, etc. Ainda ando a explorar o flamenco puro. Uma espécie de flamenco de fusão com rock e música cigana é personificada pelos Gipsy Kings.

Os Gipsy Kings são uma mistura de dois grupos de irmãos: os Reyes (Nicolas, Canut, Paul, Patchaï e André) e os Baliardo (Tonino, Paco e Diego). As suas raízes estão assentes numa dupla famosa dos meados do século XX que tocava música similar: Jose Reyes e Ricardo Baliardo (Manitas de Plata). Entre os seus admiradores estavam Salvador Dali, Charles Chaplin e John Steinbeck.


Jose Reyes


Manitas de Plata

quarta-feira, janeiro 16, 2008

A Irmandade dos Fumadores

Eis o sinal dos tempos... e como uma lei aparentemente inócua e bem intencionada acaba por ter repercussão noutra vertente.

Não sei se repararam, mas os fumadores começaram a ganhar o hábito de fumar em grupo. Mais do que dantes. Uma espécie de "unidos na adversidade", já que a lei os proíbe de fumarem nos locais habituais. Vai daí, à entrada dos edifícios, aí os vemos, todos juntos, a sorverem uma das doses de nicotina diária.

E cutucam-se mutuamente durante o trabalho: "vamos fumar um cigarro?" - muito semelhante ao síndrome do WC para as mulheres: "vens comigo ao WC?". E lá vão eles para conversar, trocar impressões, pensar em conjunto, fazer brainstorm de ideias, gozar de uns momentos de introspecção acompanhada, ao mesmo tempo que se admiram as núvens de fumo em remoínho e os dotes de alguns em fazerem argolas com esse mesmo fumo.

Falo nisto por quê? Parece-me óbvio que é por causa da inveja que sinto. Eles acabaram por formar uma espécie de irmandade, uma espécie de sociedade paralela que brevemente terá o seu próprio código de conduta, estatutos e ritos iniciáticos. Quase uma sociedade secreta! E isto cheira a aventura (e a tabaco)! Pessoas que dantes nem um olhar trocavam, agora dão-se como verdadeiros amigos. E isto porque agora enfrentam juntos a exclusão que a sociedade, dita normal, lhes impôs.

Sou um fumador frustrado... nunca consegui ficar viciado:


  • Fumei alguns Marlboro, SG e Camel Light - Aqueles que eu tolerava melhor.

  • Fumei alguns Marlboro normais - Eram muito fortes e faziam tudo andar à roda... iuhu!

  • Fumei algumas cigarrilhas - Iáaa... meu! Tásse beeeem, excepto este gosto estranho na boca.

  • Fumei alguns charutos - O gosto estranho na boca mantém-se de um dia para o outro. Verdadeiramente not my type.

  • Fumei alguns cachimbos - Adoro o cheiro disto... mas penso que são os outros que ficam com o melhor de eu fumar cachimbo... o gosto não é assim tão bom.

Como também ouvi dizer que fumar não faz muito bem à saúde e tal, gostava que nós, os não fumadores, pegássemos no melhor da Irmandade dos Fumadores, que é a própria irmandade e fizéssemos os nossos grupinhos de não fumadores para conversar, trocar impressões, pensar em conjunto, fazer brainstorm de ideias e gozar de uns momentos de introspecção acompanhada. Se nos faltar uma desculpa para tal, que sejam cigarros de chocolate, por exemplo!



As opiniões vinculadas através de posts com o label "Teoria da Conspiração" não devem ser levados a sério. Qualquer semelhança com situações, locais ou pessoas reais é mera coincidência. Não existem provas de nada que se escreva no âmbito deste post.

terça-feira, janeiro 08, 2008

Uma Verdade Inconveniente

Comecei a ver anteontem o DVD deste filme, onde a estrela principal é Al Gore, "conhecido antigamente como o próximo Presidente dos Estados Unidos da América". É um filme muito bem feito, onde se aborda a influência da poluição provocada pela humanidade no Planeta Terra. Os conceitos são apresentados com simplicidade num slideshow excelente, durante uma palestra de Al Gore. Os dotes oratórios de Al Gore são óbvios. De vez em quando, temos alguns flashbacks dos momentos cruciais da vida de Al Gore e os motivos que o levaram a despertar a sua consciência para os problemas ambientais.

A minha consciência também estava relativamente desperta em termos ambientais, mas este filme veio com toda a certeza reforçar essa consciência. O que vou dizer a seguir pode parecer um lugar comum, mas é a verdade: nos pequenos actos do nosso dia-a-dia, podemos fazer a diferença.

Ao ver o filme interroguei-me: se Al Gore tivesse ganho as eleições a George Bush, o mundo estaria melhor do que o que está, a nível económico, militar e ambiental? Podemos ter perdido um bom Presidente... mas nunca perdemos um excelente defensor das causas ambientais.

Festival Eurovisão da Canção 2017

Desta vez é um comentário a posteriori , até porque assim se torna mais fácil fazer prognósticos. Comecemos pelo concurso interno portuguê...