segunda-feira, maio 26, 2008

Festival Eurovisão da Vizinhança e da (E/I)migração

Alguém que tivesse um conhecimento geográfico bom da Europa ou que pelo menos tivesse um mapa à frente, adivinharia sem dificuldade quais as músicas em que determinado país votaria. Curiosamente, não foram critérios musicais que determinaram o vencedor do Festival Eurovisão da Canção mas antes critérios de vizinhança e/ou de (e/i)migrantes desses países. Quando assim é, devirtuam-se as regras de festivais como estes. Mas, se calhar, o Festival Eurovisão da Canção sempre sofreu de influências deste tipo e, como tal, não deve ser levado muito a sério.

Permitam-me deixar-vos dois justos vencedores alternativos ao cantor Russo que cantou ajoelhado ou deitado durante toda a música:

Croácia (Romanca)



Esta música faz lembrar um pouco Gotan Project mas tem tudo para ser uma boa canção de festival: não abandona as raízes do passado mas dá-lhes uma roupagem mais moderna, é cantada na língua natural do país e é uma canção que nos deixa bem dispostos.

Portugal (Senhora do Mar)



Não é por ser português que escolho esta canção. Ela também tem excelentes motivos para ser uma boa canção de festival: é cantada na maravilhosa língua de camões, tem bastante força, a vocalista principal tem uma voz acima do comum e a coreografia e os personagens fazem lembrar os quadros de Almada Negreiros.

Pena que ainda não foi desta...

Sem comentários:

Festival Eurovisão da Canção 2018

Como é tradição, aqui vai a minha apreciação do Festival da Eurovisão deste ano. E o vencedor é... ...novamente Salvador Sobral! Sim. ...