quarta-feira, agosto 27, 2008

Os meus telemóveis

Depois de um interregno para férias (em breve colocarei por aqui algumas propostas de roteiros de viagem), apetece-me dar-vos a conhecer os telemóveis que usei pela minha vida fora até hoje.

Da esquerda para a direita, aqui vão eles.

Siemens S10 (1998 - 1999)
O meu primeiro telemóvel e um verdadeiro calhamaço! Comprei-o pelo seu design arrojado para a altura. Depois de já ter a compra feita, o vendedor do extinto Carrefour de Gaia (Continente, hoje em dia) virou-se para mim e disse: esse telemóvel é o único que tem ecrã colorido! E de facto tinha um ecrã colorido de cristais líquidos que apresentava nada mais nada menos que três cores: azul escuro, vermelho e verde. Tinha um som espectacular nas chamadas e o controlo de volume era feito com uma tecla dedicada situada num dos lados do telemóvel. Do outro, uma tecla permitia gravar 20 segundos de discurso! Ainda não vinham incluídos jogos, câmara de filmar, nem internet ou toques polifónicos. Era um Telecel (Vodafone, hoje em dia).

Siemens C25 (1999 - 2000)
Comprei este telemóvel por necessidade. A minha namorada na altura (e hoje minha esposa) tinha um TMN. Como passávamos algum tempo ao telemóvel, tornou-se vantajoso adquirir um da mesma rede. Embora ficasse com a ideia no S25 (ecrã colorido parecido com o S10, jogos, agenda e internet), razões monetárias levaram-me a optar por este. Mesmo assim, apreciei a sua simplicidade, e o seu tamanho reduzido. É evidente que os jogos, a câmara de filmar, a internet e os toques polifónicos ainda não tinha sido incluídos neste bichinho. Comparativamente com o S10, deixei de ter a tecla dedicada para o volume, o ecrã colorido e a tecla de gravação.

Siemens S35 (2000 - 2002)
Um dos melhores telemóveis que tive. O ecrã não era colorido mas tinha uma resolução muito melhor, com ícones associados às entradas do menu. Uma porta de infra-vermelhos possibilitava a comunicação com o PC, o que se tornava útil para aceder à internet (ainda sem GPRS... só GSM). Trazia ainda dois jogos (pelo menos que eu me lembre): um parecido com as Minas do Windows e outro que nos fazia percorrer um labirinto em busca da saída. Trazia duas teclas para alterar o volume das chamadas e a tecla de gravação, tal como o meu antiguinho S10. Ainda não se falava muito em máquinas fotográficas nem em toques polifónicos. Finalmente tinha a hipótese de marcar eventos na agenda e no calendário incorporados.

Siemens S55 (2002 - 2004)
Resisti ao apelo do S45 mas não ao apelo do S55: ecrã colorido de 256 cores! E, ainda para mais, poderia acoplar ao telemóvel uma máquina fotográfica! A internet deixou de ser GSM para passar a ser GPRS. A memória do telemóvel era aberta, o que me permitiu, através da porta de infra-vermelhos e de um portátil, transferir imagens, jogos e toques polifónicos (sim... este telemóvel já tinha toques polifónicos de 16 canais). A agenda era bastante decente, com muitas informações disponíveis para cada contacto.

Siemens S65 (2004 - 2006)
Bastou olhar para este telemóvel uma vez para ficar absolutamente rendido: pormenores cromados e negros, teclas transparentes e bem iluminadas, ecrã enorme de 65.000 cores, toques polifónicos de 40 canais, cartão de memória, câmara fotográfica de 1.3 Mega Pixel. Porém, no dia em que o comprei, trouxe-me a primeira decepção: a câmara fotográfica era má. As imagens eram de qualidade inferior às do telemóvel C65! Muito grão, pouca saturação das cores, fraco comportamento com pouca luz... enfim... fiquei decepcionado, porque na altura queria um telemóvel que conseguisse tirar fotografias decentes.

Sony Ericsson K750i (2006 - ?)
Já deve ter reparado no padrão Siemens de todos os meus telemóveis até esta data. A verdade é que inexplicavelmente os telemóveis da Siemens foram ficando cada vez mais para trás da concorrência, numa queda que se verificou a partir do Siemens S55. A dada altura, muita gente tinha queixas dos telemóveis Siemens, que não cumpriam com os seus deveres em tarefas tão básicas como os SMS. Os telemóveis eram vendidos com muitos bugs de software e as actualizações demoravam a chegar. Entretanto, deu-se a fusão inesperada da Siemens com a BenQ, que só veio piorar as coisas. Os telemóveis BenQ-Siemens estão virtualmente extintos, pelo menos no mercado europeu. E é uma pena. Tive de mudar de fabricante. Os Nokia nunca me chamaram muito a atenção e acabei por preferir a Sony Ericsson e o seu aclamado telemóvel K750i. O rol de funcionalidades continua a ser impressionante ainda hoje: Ecrã TFT de 256.000 cores, toques polifónicos de 40 canais, cartão de memória, GPRS, Infravermelhos, Bluetooth, ligação USB, Câmara fotográfica de 2 Mega Pixel com autofocus e flash incorporado, sintonizador de rádio com RDS e uma bateria soberba. É o telemóvel que mantenho há quase 3 anos, porque simplesmente faz tudo o que quero e com qualidade.

Sem comentários:

Festival Eurovisão da Canção 2018

Como é tradição, aqui vai a minha apreciação do Festival da Eurovisão deste ano. E o vencedor é... ...novamente Salvador Sobral! Sim. ...